RJ inicia testes com vacina de Oxford; especialista explica procedimento no país

0
102
Foto: CDC/Unsplash

Começa nesta segunda-feira (29), no Rio de Janeiro, a vacinação dos voluntários que irão testar a eficácia da vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra. Além da capital carioca, os experimentos são feitos em Salvador, São Paulo e na África do Sul.

No Rio, a coordenação é da Rede D’Or São Luiz e o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino e o cadastro dos voluntários é digital. Os voluntários são profissionais da saúde ou pessoas que tenham alta exposição ao vírus – além de não ter tido a doença. Ao todo, foram recrutados 1.500 voluntários na capital fluminense para receber a dose e as identicações dos voluntários serão mantidas em sigilo.

Em entrevista à CNN, Renato Kfouri, diretor da Sociedade brasileira de imunizações (SBIm) disse estar bastante otimista com o processo de produção da vacina no Brasil.

“O Brasil poder participar de um estudo destes é de grande importância para nós e para nos aproximarmos dos estudos do fabricante e na transferência de estudos. Estamos bastante otimistas com estes testes que se iniciaram semana passada em São Paulo, hoje no Rio de Janeiro e Salvador deve iniciar em breve”, explicou ele.

O especialista explicou ainda que o estudo está sendo feito com 50 mil pessoas em todo o mundo. “Esses resultados serão agrupados em uma análise estatística e cada região vacinará um grupo específico da população”, completou.

Kfouri explicou que, durante os testes, os grupos não saberão a formulação aplicada – se ela será da universidade inglesa ou um placebo. Os voluntários serão acompanhados para verificar a reação do sistema imunológico.

O governo brasileiro anunciou no sábado (27) uma parceria com o Reino Unido para a produção da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca no combate ao coronavírus. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) receberá a tecnologia e insumos.

Para Kfouri, este acordo verificará a eficácia da vacina. Mas ele lembra que o assuto exige cautela. “Eu desconheço os detalhes do acordo comercial que o Brasil fez, mas, certamente, entre as várias vacinas que estão em desenvolvimento, não vão chegar ao resultado de total eficácia. Este estudo irá verificar a eficácia e quais são os próximos passos. Precisamos ter cautela. Ela apenas será aprovada se ela provar que funciona”, concluiu.

CNN Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here