Justiça bloqueia bens de prefeito de Jaguaré, ES

Rogério Feitani é investigado por envolvimento em uma organização criminosa que fraudou processo seletivo. A defesa disse que vai recorrer da decisão

0
26
Foto: Reprodução/TV Gazeta

A Justiça bloqueou os bens do prefeito de Jaguaré Rogério Feitani e também de dois ex-secretários, uma ex-servidora e um ex-diretor do Saae do município. Eles são investigados por envolvimento com uma organização criminosa que fraudou um processo seletivo. A defesa de Feitani disse que vai recorrer da decisão.

A decisão é consequência de uma ação movida pelo Ministério Público Estadual em 2017, que investiga improbidade administrativa cometida na Prefeitura de Jaguaré. Segundo a ação, o prefeito seria chefe da organização criminosa que teria fraudado o processo com o objetivo de favorecer pessoas ligada a ele.

Para a Justiça, isso indica favorecimento pessoal com o uso da máquina. Os bens do prefeito e dos outros suspeitos de envolvimento foram bloqueados na última sexta-feira (18).

A Justiça prevê ainda o desconto de 15% dos salários deles nas folhas de pagamento para reparar possíveis danos aos cofres públicos.

A defesa do prefeito disse que vai recorrer da decisão porque entende que não houve danos ao erário suficientes para uma condenação como essa.

Operação Arremate

A operação do Ministério Público que iniciou as investigações foi a Arremate. Ela foi deflagrada em 11 de abril de 2017, quando o prefeito foi conduzido coercitivamente à sede da Promotoria de Justiça de Linhares para prestar depoimento.

De acordo com o MP-ES, na época foram cumpridos 29 mandados de busca e apreensão e 15 mandados de condução coercitiva de servidores do município e de empresários.

Os mandados foram deferidos pela Justiça com base em investigações preliminares e interceptações telefônicas autorizadas pelo Tribunal de Justiça do estado. As investigações começaram em junho do ano passado.

G1 ES

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here