Governo do ES desiste de assumir gestão da BR-101

Desistência aconteceu após a Eco101, concessionária responsável pela via, pedir indenização e que o governo assuma dívida com o BNDES

0
2590
Foto: Divulgação

O vice-governador Ricardo Ferraço anunciou nesta quinta-feira (18), que o governo do Estado não assumirá a gestão da BR-101 no Espírito Santo. A decisão aconteceu após pedidos de indenização da Eco101, concessionária responsável pela rodovia.

Segundo Ferraço, o Estado tenta há alguns meses um acordo com a concessionária para assumir a gestão da rodovia, mas a Eco101 pede uma indenização de R$ 600 milhões para a concessão.

O governo também teria que assumir uma dívida de cerca de R$ 350 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além de realizar os investimentos na rodovia.

Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

“A concessionária sempre colocou como premissa ser indenizada, não tem cabimento indenizar, porque as metas não foram cumpridas. Se a concessionária quer ser indenizada, nós capixabas também queremos ser indenizados”, disse o vice-governador.

“Eles falam em indenização de R$ 600 milhões e eles têm passivos com o BNDES na ordem de R$ 350 milhões. Nós teríamos que assumir esse passivo e ainda o compromisso de fazer os investimentos. A nossa proposta era fazer no Espírito Santo o que aconteceu no Mato Grosso”, complementou.

Ferraço afirmou que a intenção do governo era assumir a rodovia como fez o Estado do Mato Grosso, em que o Estado assumiu a BR pagando um valor simbólico de apenas R$ 1.

Além disso, o vice-governador reiterou que o Estado se recusa a indenizar a Eco101, uma vez que não foi o governo estadual que contratou a concessionária, em primeiro lugar.

“No Mato Grosso, o estado assumiu, mas o estado pagou R$ 1, um valor simbólico para assumir, e aí assumiu os investimentos. Então não há a possibilidade de a gente indenizar a concessionária por metas não cumpridas. Até porque, não fomos nós que contratamos essa concessionária: a concessão é federal. Nós, capixabas, não temos nenhuma responsabilidade por essa desorganização”, disse Ferraço.


Plano B
Ferraço informou que esteve em Brasília na última quarta-feira (17), onde se reuniu com os presidentes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e do Tribunal de Contas da União (TCU) para discutir o que ele descreveu como plano B.

A alternativa consiste em um grupo de trabalho entre o Ministério do Trabalho e da ANTT para que seja apresentada uma perspectiva de repactuação do contrato de concessão, que deve ser entregue para a arbitragem do TCU até a primeira quinzena de junho.

A renovação com a Eco101 não é descartada, como revela o próprio vice-governador. “É uma das hipóteses: pode ser com a Eco101 ou com outra empresa. O que eu posso afirmar é que estamos descartando assumir porque não topamos indenizar uma concessionária que não cumpriu suas metas”, afirmou.

Folha Vitória

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here